Resignação nua e violenta

Resignação nua e violenta: Outubro 2006

sábado, outubro 28, 2006

Inspirações intensas

Preso no silêncio dos meus lábios
Caminho por entre o labirinto das tuas notas
E tomo como nossas as sombras que faço
Neste jardim sem limite antes das estrelas
Somos a verdade incurável (tu e eu)
Frias labaredas com tanto para queimar
Nos sopros finos que a vida nos deixa tomar
(Incessante musica em ardentes movimentos)
Soo por ti e pelas tuas notas pendentes
De sorrisos irónicos que corroem a solidão
Pois sem som, sou frio, fraco (resumido coração)
E abraço a melopeia outonal oculta que possuis
Pois eu sei que tu me aqueces
E só juntos, nós os dois seremos invencíveis!

domingo, outubro 22, 2006

Olhares constantes da Lua

Nesta eterna dança da mente
Ecoam corpos de amantes
Entre o compasso do fumo
No beijo do cigarro

Restos de voraz paixão
Devoragos e largados
Num chão de sangue
Como um eterno sonhar

Ó amor de estranha beleza
(Possuindo-te sem aqui estares)
Existe algo entre estes seres
Bordado de rara poesia?

Pois sinto um corpo aberto
Escorregando pelo outro
Num abraço só seu, sim!
De verdadeira alquimia