Resignação nua e violenta

Resignação nua e violenta: Maio 2010

segunda-feira, maio 17, 2010

Lirismo xamânico

Sino no desvario dos vinhos arriscados

A homens como eu, bruxos ou fiéis

Sobre o infame adorador do carácter dê

Dou um trago

Canto e danço

Exorcizo demónios que me encobrem

(Fruta em ramos altos é sempre revolta

Corpos caídos, no chão apodrecidos)

Dou mais um

Canto e danço

E coloco a liturgia atrás das costas

Virando agora o olhar para Oeste do Sol

Para a cândida donzela doce amarelada

Da noite perfeita e corpo sardento.

Sou teu ó lua,

Obrigado!