Resignação nua e violenta

Resignação nua e violenta: Junho 2010

sexta-feira, junho 04, 2010

Abrigo

Apareço de noite no berro do sonho,
Ser-Tempo que se faz no instante,
Memória inicial que em mim se repete
(Todo o tempo é irremediável).

Esfumo neste espaço não fatal,
Palco de uma estreia sem fim,
Pensamentos, nomes, guiões sem prazo
(Sou um ser ridículo que ousa sonhar).

Tudo em mim se repete
E empurro para a queda o corpo
Sem nunca descobrir o segredo
Que segrega no ser-poesia.